Toda a informação relacionada com a freguesia de Fajões; AGENDA: 29/01 - S. Roque - Fajões (15.00 horas)// TODOS OS COMENTÁRIOS SÃO DE TOTAL RESPONSABILIDADE DOS SEUS AUTORES

sábado, abril 30, 2005

Paivense - G.D.F.


O Grupo Desportivo de Fajões, desloca-se no próximo domingo ao terreno do paivense, para mais um jogo decisivo a contar para a primeira divisão do distrito de Aveiro.

Trata-se de uma mítica deslocação para os fajoenses. Quem acompanhou o G.D.F. ao longo dos anos, sabe bem do que estou a falar. Mas, para além da já tradicional deslocação, também é um campo tradicionalmente difícil para a nossa equipa.

Todos esperamos que o resultado seja melhor que os últimos da nossa equipa.

Façam os vossos prognósticos nos comentários.

sexta-feira, abril 29, 2005

Festa do S. Marcos - 30 de Abril

Para amanhã o programa da festa do S. Marcos é o seguinte:

15.00 Horas - Bombos populares de Azagães e os amigos de Vale de Cambra

21.00 Horas - Conjunto - Nelly Correia (Musica de Baile)

Grupo de dança "Juntos" comemoram 15 anos!


No passado dia 23, no Auditório da Junta de Freguesia de S. Roque, coube a este grupo o encerramento de uma iniciativa levada a efeito por entidades locais.

Mas o dia era especial, "JUNTOS" associou a esta festa, a comemoração do seu aniversário, já lá vão quinze anos desde que o Rui deu inì­cio a esta iniciativa.

Aproveitaram para apresentar o seu reportório, sempre inovando, quer em danças, quer na coreografia a elas associada, mas com a preocupação de manterem a autenticidade e a ligação ás raízes.

Chulas, Viras, Polkas, Muiñeiras, Jotas e Valsas, foram desfiando perante os nossos olhos, acompanhadas por sons de ilustres representantes da música de origem céltica e interpretadas por um elenco jovem e alegre, que proporcionaram aos presentes, um final de dia muito bem passado.

No final, as felicitações que se impunham numa ocasião como esta, tendo o público, de pé, cantado "Parabéns? aos JUNTOS". Merecem-no!

Ao Rui e a sua esposa, pela iniciativa da criação deste grupo, pelo empenho que coloca coreografias adoptadas, na escolha do guarda-roupa, material cénico e na formação dos participantes mais novos, o povo de Fajões agradece reconhecido. Que daqui a quinze anos nos voltemos a encontrar, mas desta vez "cá em casa", quando esta terra tiver infra-estruturas de apoio a estas iniciativas.

De minha parte, cabe dar os mais sinceros parabéns e faço votos que continuem com este projecto para o futuro.

quinta-feira, abril 28, 2005

Terminou o curso sénior de iniciação à Internet



Terminou, no passado dia 18, o primeiro curso de iniciação à internet, para adultos, promovido pela Junta de Freguesia de Fajões e que foi frequentado por mais de duas dezenas de formandos.

Na oportunidade, António Almeida realçou que a leccionação deste curso só foi possível porque a autarquia fajoense tem estado "atenta" às possibilidades que se lhe têm deparado, em termos de candidaturas a fundos de diversas proveniências. O secretário da Junta especificou que, no caso vertente, a ANAFRE (Associação Nacional de Freguesias) pagou 70% da verba gasta com a aquisição dos computadores. Também referiu que Artur Pinho financiou a compra do mobiliário necessário.

Almeida fez, ainda, questão de salientar a importância de que se reveste o espaço público de internet da vila de Fajões. "Temos cerca de 150 utilizadores inscritos", realçou o autarca, acrescentando que, entre eles, se encontra gente de freguesias vizinhas. Manifestou a sua satisfação pelo sucesso desta valência, acentuando que Fajões está na "linha da frente" no que diz respeito à utilização das novas tecnologias da comunicação.

Diga-se que o curso foi ministrado por Sónia Almeida, que se mostrou "orgulhosa" pelo desempenho dos seus formandos. Recordou o início da formação, quando alguns deles se mostravam inseguros quanto às suas capacidades, mostrando até vontade de desistir, mas que acabaram por conseguir. Para o futuro, deixou-lhe o conselho de que continuem a navegar na internet. "Se deixarem de praticar, vão esquecer o que aprenderam", avisou.

Por sua vez, Luís Filipe Oliveira enfatizou que o Curso contribuiu para o enriquecimento cultural de pessoas que, até então, não tinham tido contacto com o "mundo" dos computadores. Realçou, também, que a geminação com Lucé, a criação de um site sobre a freguesia e a abertura do espaço público de internet inseriram-se numa estratégia que visou "abrir Fajões ao mundo". O presidente do executivo fajoense ainda teceu palavras de louvor ao desempenho dos formandos e, em especial, ao empenho de Sónia Almeida. Refira-se que, além dos diplomas, os formandos receberam, também, um CD-Rom sobre a Vila.

Referencie-se, ainda, que está a decorrer no edificío- -sede da Junta de Freguesia de Fajões uma exposição sobre temáticas sociais, como o apoio aos desempregados e o auxílio aos mais desfavorecidos. A mostra, realizada em parceria pela autarquia e pelo Centro Social fajoense, está patente até hoje, dia 28.

Amanhã - Assembleia-geral

Amanhã decorrerá mais uma assembleia-geral na junta de Freguesia.

A assembleia terá início às 20.30 horas.

Peço desculpa por ter publicado na semana passada uma noticia a dar conta desta assembleia, mas com uma diferente data

terça-feira, abril 26, 2005

Foto-Reportagem - Festa do S. Marcos - Dia 25 de Abril

Depois de alguns problemas com o servidor, as "Foto-Reportagens" do blog já se encontram novamente disponíveis.

Sendo assim, já podem ver 9 fotos, do primeiro dia da festa do S. Marcos.

Para isso basta clicar no seguinte link:

  • Foto-Reportagens


  • Aproveito também para dizer, que em breve será publicada a foto-Report relativa às obras que acontecerem junto à junta de freguesia, nomeadamente no rio.

    segunda-feira, abril 25, 2005

    Longe da vista, nunca do coração...


    A pedido de um visitante assí­duo do blog, tenho o prazer de publicar um poema que foi retirado de um livro, intitulado: Longe da vista, nunca do coração, que será lançado, em Portugal, na segunda semana de Maio. Este livro é de autoria da Sra. Alzira Macedo, emigrante portuguesa que está neste momento a residir em Krefeld - Alemanha.

    Podem já ficar a saber, que neste livro é feita referência à nossa freguesia e a gentes da nossa terra.
    Quem és...

    Quem sou eu, já não me reconheço.

    Te procuro por todo lado, sem ter endereço.

    Em que estradas, em que marés!!!

    Que te procuro sem saber quem és?

    Que redes amarram teus passos, que desvios confundem tua rota.

    Que nunca te ouço bater á minha porta.

    Procuro-te nas estrelas, juntamente com a lua fazem um lindo luar.

    Permaneces longe, não te consigo alcançar.

    Da lua cheia à minguante!!!

    Te sinto tão distante.

    Te vejo por toda a parte, imagino-te a meu lado!!!

    Sorrindo-me nas alegrias, ouvindo-me com razão.

    Acarinhando-me nas tristezas, sentindo-me com o coração.

    Não te mostrando de verdade, não percebo tua razão.

    A vida sem ti é melancólica!!!

    Eu. e tu, portador de meu ser.

    Para te encontrar o mundo ia percorrer.

    Percebo-te na alma, não demores a me encontrar. Estou ansiosa para poder sem medo te abraçar.

    Ensina o meu caminho escolher.

    Destino!!!

    Porque não me deixas te conhecer.

    domingo, abril 24, 2005

    G.D.F. 1 - 1 S.C. Bustelo

    O G.D.F. recebeu em sua casa o S. C. Bustelo, e não conseguiu mais que um empate a 3 bolas, em mais um jogo a contar para a primeira divisão do distrito de Aveiro.
    Num jogo emocionante, o G.D.F. fez tudo para alcançar vitória, mas nos momentos decisivos mostrou pouca frieza para "matar" o jogo.

    Assim, o G.D.F. perde pontos importantíssimos para as suas aspirações, que é a continuidade no escalão maior da associação de futebol do distrito de Aveiro.

    O Grupo Desportivo de Fajões mantém a 13ª posição na tabela classificativa.

    Festa do S. Marcos - Dia 25 de Abril

    Como sabem, amanhã (25 de Abril) é dia de S. Marcos.

    A organização de festas do S. Marcos preparou algumas actividades para esse mesmo dia, já integradas na festa do S. Marcos que decorrerá no próximo fim-de-semana.

    O programa para amanhã é o seguinte:

    15 Horas - Agrupamento Musical - João Carlos (Musica de Baile)
    16.30 Horas - Orquestra Juvenil de Fajões
    17 Horas - Reentrada do Agrupamento Musical - João Carlos (Musica de Baile)

    Risoterapia - 7

    Image Hosted by ImageShack.us

    sábado, abril 23, 2005

    G.D.F. - S.C. Bustelo


    Depois de sair derrotado no confronto com o F.C. Arouca o G.D.F. irá defrontar na próxima jornada o S.C. Bustelo que não teve melhor sorte na jornada anterior de onde foi derrotado em casa pelo então último classificado (Cucujães). A seis jornadas do final do campeonato este jogo caseiro é de extrema importância para a nossa equipa, em que temos a extrema necessidade de marcar pontos.

    O jogo é neste domingo pelas 16.00h no Campo das Cruzes.

    Não falte.. a sua presença é importante!

    S. Marcos


    Na véspera do dia de S. Marcos, tenho o prazer de publicar mais um artigo do nosso já conhecido amigo Albino Pinho.

    Desta vez, fomos brindados com um artigo sobre a festa do S. Marcos que se avizinha, e que o blog dará total cobertura.
    S. Marcos

    Santo Evangelhista, que tem o seu dia no calendario litúrgico a 25 de abril de cada ano.
    Santo que é venerado na nossa terra, na sua capelinha no morro do mesmo nome do lugar de S. Mamede, no seu dia, ou domingo seguinte.
    Em tempos idos, em que as únicas diversões que existiam eram as festas religiosas, e pouco mais, que arrastavam multidões, lembro a propósito algumas, em que os Fajoenses eram mais devotos, e sobretudo em excursões de autocarro fretado, ao jeito da época, marcavam a sua presença como ninguém, com o respectivo farnel, e o famoso "palhinhas" normalmente de tinto, se possível da loja do Cela.
    O ano começava com a festa das fogaças na então Vila da Feira, a 20 de janeiro de cada ano.
    Seguia-se o St. Brás em Vila Chã - Vale de Cambra.
    Depois o nosso S. Marcos. Na semana seguinte por norma a Sra. dos Milagres no vizinho lugar de Goim - Romariz.
    Pouco depois a Sta. Apolónia, ou festa da toupeiras, em Vilarinho - Cesar.
    Em maio a festa da Sra.da Lage, na serra da Freita, romaria que normalmente se ia com rusga e tocata, a pé do Chão D'Ave até ao cimo da serra.
    Sr. da Pedra, Gulpilhares - Gaia, talvez das maiores romarias da região. Lembro-me nos anos 60 em que Fajões quase ficava deserto, todos os meios serviam para lá chegar no mês de junho.
    Sra da Hora, na freguesia do mesmo nome do concelho de Matosinhos. Sra. da Saúde da serra Castelões - Vale de Cambra a 15 de agosto, com as famosas rusgas com tocatas, eu pessoalmente acompanhei algumas, saímos ás 3h da manhã a pé, com o farnel, cantavamos e dançavamos até chegar ao alto da serra por volta das 7h.
    A 15 de setembro tinhamos a Sta. Quitéria, em S. Pedro do Paraíso - Castelo de Paiva, comer bons bifes, dos bois já dependurados, onde o cliente podia livremente escolher a parte que desejava para de seguida meter á setã, com o verdasco de Paiva a tingir a malga a acompanhar. Tudo isto ao som de duas excelentes bandas musicais. O dia acabava com a compra da maior melancia.
    A feira das colheitas em Arouca, festa profana que chamava muitos fajoenses na última semana de setembro.
    Feira, e festa de S. Martinho em Penafiel a 11 de novembro, com a famosa frase, compras-te o casaco na feira em Penafiel ?
    Antes de fechar o ano, ainda tinhamos a Sta. Lúzia no Couto de Cucujães a 13 de dezembro, festa dos diospiros e jerupiga. A 26 o St. Estevão, no lugar do mesmo nome, freguesia de Arrifana - Feira encerrava o ano.
    Estas eram de facto algumas das muitas festas, da região, muito participadas por Fajoenses, que nesse aspecto nunca deixaram os seus créditos por mãos alheias, pois onde fossem havia bom ambiente e alegria, e ás vezes também alguma porrada, muito ao jeito da época também, festa para ser festa tinha de acabar á paulada diziam.

    Voltando ao nosso S. Marcos, naquele tempo como ainda agora penso, a procissão com o andor do Santo Envangelhista saí-a da nossa igreja matriz ao fim da missa da manhã do domingo da festa. Seguia por caminhos apertados de carros de bois aos zig zags pelo lugar da Cortinha Dama, Telhado, Côto, depois por entre matos, e pinheirais até atingir o arraial, e subir o morro para finalmente entrar na capela. Estou a falar de tempos onde ainda não havia a estrada que hoje existe.
    Como o mês de abril é muito instável, no tocante á metereologia, contam os antigos que o S. Marcos ficou apelidado de "santo mijão", pois segundo a lenda em tempos muito recuados, quando a procisão saí-a da igreja para o morro chuvia copiosamente, um dos carregadores do andor, já todo encharcado, começou a enervar-se com a situação, e talvez já com um grão na asa, proferiu em voz alta, OU TU MANDAS PARAR A CHUVA OU VAIS TOMAR UM BANHO TAMBÉM!!! como o S. Marcos fez ouvidos de mercador, e a chuva ainda redobrou, o carregador ao passar pela presa do Telhado, dá um impulso ao andor, e o santo salta do mesmo e mergulha na presa, daí a famosa frase do santo mijão.
    A imagem que me ficou do S. Marcos dos meus tempos de criança, além da nossa Banda, desfalcada, e ás vezes desafinada, com mais um, ou outro novato formado na Banda a dar os seus primeiros acordes públicos, ou simplesmente a fazer o gesto, e número, até ter a certeza de não errar.
    Algumas viaturas que por aqueles caminhos apertados, ingremes, poeirentos, ou lamacentos, penívelmente lá conseguiam chegar ao recinto da festa, cheio de bogalhos dos eucaliptos. As tendas das regueifas da Magalhães de Lobão. Das barracas de encerado fumarentas com cheiros a sardinha assada, ou churrasco de frango, com um falatório entre o pessoal dos copos. Da venda dos primeiros maganórios do ano.
    Do velho Laranjeira, de Mosteirô, guardador de bicicletas, e também com uma mesa de dados, ou "bogalhinha" a dinheiro. Dos vendedores de brinquedos, quase todos feitos de chapa de Flandres, ou de barro. Da torradinha do santo. Dos namorados que num vaivém faziam o percurso entre o arraial e a capela. Dizia-se quem arranjasse um namorado(a) na festa do S. Marcos dava em casamento. Da rusga com tocata, que saí-a na segunda feira do lugar do Cruzeiro até ao S. Marcos. E para fechar a festa com chave de "ouro" e manter a tradição, a festa acabava quase sempre á cacetada, ou paulada, normalmente com os de Romariz, do lugar de Goim, ou Vila Nova, qualquer pretexto servia para abrir as hostilidades, sendo o vinho o mais importante, para obter um motivo para começar a batalha campal, com que fechava a festa já ao cair na noite de segunda feira, não consta nos anais que alguém tenha morrido nessas rixas, mas cabeças rachadas, dentes partidos, e ematomas eram á fartura.

    sexta-feira, abril 22, 2005

    Bermas das estradas alvo de limpeza!


    As bermas das estradas dos lugares do Tapado e da Retorta foram alvo de uma limpeza por parte dos funcionários da junta de freguesia.

    Sem dúvida que é uma atitude de louvar, mas peca, por não ser tão frequente como parece. Um outro aspecto a ter em conta, são as bermas das estradas menos movimentadas, que muitas vezes são deixadas um pouco ao "desleixo".

    Fica a observação. Sem dúvida que com as bermas das estradas limpas, a nossa freguesia fica mais bela.

    quinta-feira, abril 21, 2005

    "Os Moinhos"

    O blog tem o prazer de publicar um excelente artigo, elaborado pelo Sr. Manuel Rui Pinho.

    Aqui fica o artigo na sua totalidade.

    "Os moinhos, foram o meio dos lavradores reduzirem os grãos de milho, em farinha, através de um processo que ficou designado como moagem . A farinha mais fina, era destinada à fabricação do pão, alimento que, em conjunto com o "caldo", feito com produtos da horta e alguma gordura saída da "salgadeira", constituíam a base da alimentação. O dia de cozer pão, era dia de festa em casa, dia de fartura. Com um bocadinho de sorte e de conivência com a dona da casa, podia haver duas ou três sardinhas para serem colocadas em cima de um bolo, para ir ao forno. Que maravilha!

    O processo de moagem, é sempre o mesmo em qualquer tipo de moinho, duas mós de pedra, a girar uma sobre a outra, por fricção, esmagam os grãos de milho. A obtenção de farinha mais fina ou mais áspera, depende da pressão das mós, tudo isto regulado por uma peça fundamental, o alibiadoiro.

    O processo de captação da energia, e a sua comunicação ás mós, é que tinha variações. Daqui, resultaram diferentes tipos de moinhos, sendo os mais comuns:

    As moinholas, pequenos moinhos caseiros, movidos a força humana e destinados a satisfazer pequenas exigências do dia-à-dia.

    Moinhos de maré , localizados, tal como o seu nome sugere, junto do mar.

    Moinhos de vento , instalados em torres, de madeira ou de pedra, construídas para o efeito. Estes, foram celebrizados por uma das obras mais conhecidas da literatura universal, "D. Quixote de La Mancha".

    Azenhas , postas a funcionar pela força da água a cair sobre os cubelos, que por sua vez, punham em funcionamento a sua grande roda exterior. Moinhos de rodízio ou de espicho, cuja força motriz dependia do desnível das correntes de água. Todos eles foram perdendo o seu uso. A facilidade de utilização de outras energias (Energia eléctrica), o abandono progressivo da agricultura e a crescente escassez de água, condenaram os moinhos ao abandono. Muitos, já desapareceram, a maior parte está a cair de velhos, sem restauro, outros, com mais sorte, foram adaptados a novas utilizações, geralmente turísticas, integrados em arranjos paisagísticos ou transformados em restaurantes de charme.

    Em Fajões, podemos encontrar ainda um número significativo de moinhos, todos no Rio Antuã e seus braços. O maior número fica entre a ponte do Pisão e o lugar da Retorta. O segundo núcleo, é composto por mais três, contíguos, situam-se no centro da freguesia, no lugar da Torre. Pela freguesia, existem ainda outros, isolados, mas também, já em estado de abandono. Dada a morfologia da nossa terra, todos eles são moinhos de rodízio. Note-se o facto de Fajões se estender por um vale e haver um significativo desnível, entre a entrada das águas (acima da Ponte do Pisão) e a sua saída (fábrica das Tripas).
    A propriedade destas pequenas unidades transformadoras, em regra, era repartida entre várias famílias, designadas por consortes. Havia um, situado dentro da própria casa dos seus proprietários, e com alguma utilização semi-industrial, se assim lhe podemos chamar, dadas as suas limitadas capacidades, era o moinho do "Gimenta". Para aqueles lavradores que dispunham de pouco milho, a quem não justificava participar num investimento colectivo da construção de uma nova unidade, a troco do pagamento de uma percentagem (maquia), a família do "Gimenta", trocava o milho por farinha, ás vezes não tão macia como se desejava. O tempo foi passando e todos eles foram sendo abandonados. Um dos últimos a ser regularmente utilizado, foi um dos da Torre, enquanto a saúde de um dos donos o permitiu, o Sr. Antero Barbosa. Existe ainda um caso, em que um desses moinhos foi adaptado a habitação, é o moinho da Casa do Côto, na Retorta, já lá vão mais de três décadas. "

    Assembleia Geral da Junta de Freguesia

    Amanhã pelas 20.30 horas, irá se realizar mais uma assembleia geral da junta de freguesia.

    A assembeleia irá se realizar no auditório da junta de freguesia (como é habitual).

    A sua presença é importante.

    quarta-feira, abril 20, 2005

    Inquérito - 11

    Teve hoje o seu termo a votação que decorreu durante toda esta semana. A pergunta era: "Pensa que a Junta de freguesia devia avançar com um projecto, para a área envolvente ao rio Antuã, de modo a dinamizar o turismo em Fajões?"
    Num total de 11 participantes, 9 (82%) responderam que sim, enquanto que 1 (9%) responderam que não. Houve ainda um votante que pensa que existem outras obras mais importantes para a freguesia.

    A próxima pergunta está relacionada com a assembleia municipal que se irá realizar em Fajões, e que tem causado alguma indefinição em relação ao local que está se realizará.

    Então a pergunta é a seguinte: "Qual o local onde se deve realizar a Assembleia Municipal?"

    A votação está aberta até à próxima quarta-feira.


  • Votação/Resultados
  • Devido a problemas com o servidor...


    Já tenho a "foto-Reportagem" das obras que decorreram em volta da sede de junta de freguesia pronta a algum tempo, mas devido a alguns problemas com o servidor que eu utilizo para alojar as fotos, ainda não me foi possí­vel colocar on-line a reportagem.

    Prometo assim que possí­vel divulgar o conteúdo.

    terça-feira, abril 19, 2005

    Associação Humanitária entra na Federação


    Os sócios da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários autorizaram por unanimidade a direcção a participar como membro efectivo de pleno direito na constituição da Federação dos Bombeiros do Distrito de Aveiro.

    Em representação da Associação Humanitária, o documento será outorgado pelo presidente da direcção, Martinho Almeida. O presidente da mesa da assembleia, que há 16 anos vinha a defender a constituição, juridicamente reconhecida, de federações de bombeiros, congratulou-se com a decisão tomada por maioria no Congresso de Vila Nova de Poiares. Augusto Pais acrescentou que "a Federação era uma organização reconhecida, com associados, mas que vivia no plano marginal à lei. Com este passo adquire o estatuto de pessoa colectiva de utilidade pública e reconhecimento jurídico".

    A Federação dos Bombeiros do Distrito de Aveiro será constituída pelas associações humanitárias e corpos de bombeiros. No caso concreto da Associação Humanitária dos Bombeiros de Fajões, a direcção, após receber um ofício da Federação, datado de 28 de Fevereiro último, a solicitar que lhe fosse enviada a posição tomada, pediu ao presidente da mesa que convocasse uma reunião extraordinária daquele órgão, o que agora aconteceu.

    Ainda por unanimidade, numa assembleia de curta duração, os associados aprovaram um voto de pesar pelo falecimento do Papa João Paulo II. O teor da proposta, apresentada pelo presidente da mesa da assembleia, será enviado ao Bispo do Porto e dado conhecimento ao pároco da freguesia.

    domingo, abril 17, 2005

    F. C. Arouca 3 - 1 G.D. Fajões

    O F.C. Arouca levou de vencida a equipa do G. D. Fajões, por 3 - 1, em mais um jogo para a 1ª divisão do distrito de Aveiro.

    No final do jogo, ficou-se com a sensação que a equipa do Fajões, podia ter feito um resultado diferente.

    No que à arbitragem diz respeito, à razões de queixas por parte de ambas as equipas.

    Foi um resultado positivo para a equipa do Arouca pois este está na luta pela subida de escalão. Por outro lado, o G.D.F. está em maus lençóis, pois algumas das equipas que se encontravam abaixo de si na tabela classificativa vencera. Assim o G.D.F. vê-se obrigado a vencer o próximo jogo em casa, se quiser a continuar a manter alguma margem de manobra nas contas finais.

    Risoterapia - 6


    É o regresso da "secção Risoterapia". A partir de hoje, todos os domingos será publicada um nova foto, para o pessoal se rir um bocado.

    sábado, abril 16, 2005

    Já podem ver as fotos das obras na Igreja

    Já foram adicionadas algumas fotos (7 no total) referentes às obras que estão a ser efectuadas na calçada da Igreja.

    Podem aceder directamente às fotos através do seguinte link:

  • Foto-Reportagens
  • F.C. Arouca - G.D. Fajões


    O Grupo Desportivo de Fajões desloca-se no próximo domingo (amanhã) ao sempre difícil campo do Arouca.

    Longe da rivalidade de outros tempos, (pois lembro-me que quando o Fajões jogava com o Arouca, fosse em casa, fosse fora, o jogo funcionava quase como que um espécie de concentração geral para os adeptos do Fajões, e claro está, que existiam sempre picardias entre adeptos dos dois clubes, chegando em alguns casos a existir confronto físico), o G.D.F. espera dificuldades. Não só pela evidente qualidade da equipa arouquense, mas também por esta, estar a jogar em casa. Mas espera-se um jogo interessante, pois não só o Arouca está na luta pela subida, como O Fajões não pode perder mais pontos na luta pela manutenção.

    O jogo está marcado para as 16 horas.


    Para terminar, não podia de endereçar um abraço especial, a vários amigos que tenho na claque do Arouca (Ultras Arouca 2000), que é alusiva a foto ilustrativa do post.

    sexta-feira, abril 15, 2005

    Obras na calçada da Igreja



    O lado Este da calçada da Igreja Matriz de Fajões, está a ser alvo de remodelações, com o intuito de facilitar os acessos à igreja por parte dos automóveis, pois como se podia observar, o declive da calçada era bastante acentuado, o que dificultava a movimentação automóvel e até das pessoas.

    Depois da construção da escadaria para a Igreja (que na minha opinião foi um projecto completamente falhado), a zona envolvente à Igreja é alvo de novas alterações.



    Ainda no que àquela zona diz respeito, de referir que à cerca de um mês atrás, parte do beiral da antiga casa do Sr. Padre (actualmente serve de apoio à catequese) veio abaixo, devido aos fortes ventos que se fizeram sentir e também ao mau estado de conservação que é alvo a casa. Felizmente não existem registos de danos.

    Em breve podem ver algumas fotos, no "Foto-report".

  • Foto-Reportagens
  • quinta-feira, abril 14, 2005

    Assembleia Municipal em Fajões


    Dando continuidade à polí­tica de descentralização que tem vindo a ser seguida, durante o corrente mês de Abril, irá ser realizada uma sessão ordinária deste órgão autárquico, na freguesia de Fajões, conforme já foi anunciado pelo seu Presidente, Hermí­nio Loureiro.

    Desta forma, respondeu a uma pretensção de alguns fajoenses que tem assento naquele órgão. Saibamos todos honrar a sua presença e façamos sentir que o Nordeste existe e que sabe ser reconhecido a quem dele se lembra.

    Via do nordeste em volta de alguma polémica


    A manter-se a situação actual, ou seja, se não houver mais nenhuma alteração, o último troço da Via do Nordeste terá o seu início, em Cesar, junto ao Restaurante Lindolfo e o seu terminus, mesmo em frente à saída de viaturas da casa do Sr. Gama.

    A solução adoptada está longe de obter anuência dos seus futuros utilizadores! Esta discordância tem a ver com o facto de a rotunda que vai ser gerada, ficar algumas dezenas de metros deslocada para poente (como podem observar na imagem), da estrada que vem de Castelo de Paiva e que no futuro próximo, também será o acesso à via rápida Arouca-Feira (nó da auto-estra-da).


    Pela importância desta via, talvez valha a pena que as autoridades competentes e que têm intervenção na escolha do traçado, ponderem de uma forma calma, racional e independente, antes de tomarem uma decisão definitiva.

    quarta-feira, abril 13, 2005

    Inquérito - 10


    Teve hoje o seu termo a votação que decorreu durante toda esta semana. A pergunta era a seguinte: "Pensa que a comissão de festas do S. Marcos devia dar mais importância ás colectividades da freguesia, neste caso As Ceifeiras São Martinho de Fajões?"
    Num total de 7 participantes, 3 (43%) responderam que sim, enquanto que 4 (57%) concordam com a atitude da comissão de festas.

    A próxima pergunta está relacionada comas recentes obras que tem sido alvo o Rio Antuã. Na minha opinião, Fajões só tem um lugar, que realmente é dedicado ao turismo e ao lazer, que é o monte de S. Marcos. Portanto, penso que a junta de freguesia devia investir um pouco mais, na remodelação da área envolvente ao Rio Antuã, tornando assim este espaço um segundo ponto de turismo e de lazer em Fajões.
    Como exemplo, deixo aqui uma foto do concelho de Pampilhosa da Serra, mais propriamente na freguesia de Pessegueiro. Penso que seria um bom exemplo a seguir em Fajões.


    Então a pergunta é a seguinte: "Pensa que a Junta de freguesia devia avançar com um projecto, para a área envolvente ao rio Antuã, de modo a dinamizar o turismo em Fajões?"

    A votação está aberta até à próxima quarta-feira. Aproveito também para dizer, que em breve será publicada um reportagem sobre algumas remodelações que o rio já está a ser alvo.

  • Votação/Resultados


  • Site da freguesia de Pessegueiro
  • segunda-feira, abril 11, 2005

    Lendas da nossa terra



    É com enorme prazer que publico mais um artigo do sr. Albino Pinho, que mais uma vez colabora de forma directa com este projecto. Trata-se de um artigo intitulado: "Lendas da nossa terra" e que mostra, principalmente aos mais jovens, o que se passava antigamente na nossa vila.

    Aqui fica o artigo:

    Lendas da nossa terra

    Os espiritos do novo cemitério!



    Corria o ano de 1917, ano de todos os mistérios e magias.

    Na Casagrande, da Cruz, uma das maiores casas de lavradores da aldeia, começavam os preparativos para as grandes as segas de centeio desse longínquo ano, em algumas parcelas, da vasta propriedade de cultivo em socalcos sustidos por botaréus, que iam desde o lugar da Cruz até ao do Barbeito, rodeando por completo o cemitério, e a igreja da aldeia.

    Depois de uma semana de canícula abrasadora, as ceifas debutavam ainda pela aurora, para fugir ás altas temperaturas da tarde, pelos empregados, e caseiros da Casagrande, mais alguns jornaleiros da aldeia que eram contratados á jornada sempre que havia, sementeiras, mondas, ceifas ou vindimas a fazer nos terrenos da Casagrande.

    Era costume da época, e nestas alturas de verão, quando o sol estivesse no zénite todo o pessoal dormir durante a tarde em local bem fresco. Retomando os trabalhos agrícolas já perto do crepúsculo

    Depois da grande azáfama dessa semana, chegou a sexta-feira, por acaso dia 13, e de lua cheia. O dia era o mais tórrido, e pesado da semana, havia um vento mistral muito quente, que os anciões da aldeia chamavam de "esgana cão" e que deixava algumas pessoas com problemas respiratórios preocupados e aflitos, pois temiam não resistir. Mas ao longe já se ouviam fortes trovões, certamente que vamos ter trovoada, e chuva durante a noite, comentavam os ceifeiros entre eles.

    O patrão da Casagrande, depois do almoço, e antes do pessoal ir fazer a soneca da tarde, dá ordens a uma caseira da Casagrande, para recolher os últimos molhos de centeio, que se encontram na leira perto do cemitério antes do jantar, pois o tempo ameaçava chuva, talvez para a noite, jurando esta ao seu patrão que o mesmo seria recolhido por ela própria antes do caír da noite.

    Como morava numa pequena casa de caseiros separada da Casagrande, e talvez devido aos grandes esforços fisícos do dia, aliada ao tempo pesado que se fazia sentir, a pobre caseira entregou-se a morfeu, e dormiu perdidamente, não se apercebendo sequer do tempo passar, quando finalmente, e já altas horas da noite, acorda, espreita pela pequena janela, com a lua cheia, e o início da aurora, pensa que é o sol a pôr-se, aflita e sem mais demoras salta da cama para ir recolher os ditos molhos que se encontram perto do cemitério, que o seu patrão tanto lhe recomendara.

    Devido já á pouca claridade, pensa ela que do dia ainda, sobe num ápice as várias leiras até ao local onde o centeio se dispersava por algumas dezenas de pequenos feixes, junta-os todos, para depois fazer molhos maiores, e transporta-los á cabeça até á Casagrande, onde ficariam a salvo de uma possível trovoada.

    Ainda meia a dormir, e iluminada só pela lua cheia, e da aurora que começa a despontar, que ela continua a pensar que é a luz do fim do dia, faz, e ata todo o centeio, que faltava recolher em meia dúzia de molhos. Quando finalmente se prepara para os carregar á cabeça, repara que não se consegue ajudar sozinha a meter o dito á cabeça, precisa da ajuda de alguém.

    Ergue a cabeça para pedir auxilio a alguém que porventura ande nas imediações, e vê mais em cima no caminho de fronte ao cemitério, algumas pessoas que em passo melancolico, e sussurrando, fazem um vaivém, entre a igreja da aldeia e o cemitério, todos vestidos uniformemente, tipo fransciscanos, com o carapuço metido na cabeça, e cabisbaixos. Pensando a caseira que seriam aldeões a fazer as suas preces.

    Dirige-se ao mais próximo, e educadamente pede-lhe se a ajuda a carregar o molho de centeio á cabeça.

    A personagem, pára a sua penosa marcha, lentamente ergue a cabeça, com a cara já meia desfeita, devido ao tempo em que está sepultada, já sem olhos, e alguns dentes já sem cobertura, com uma voz profunda, tenebrosa, e firme, responde......EU NÃO POSSO!!!... MORRI DE TUBERCULOSE!!!... ESSA QUE VAI AÍ TALVEZ POSSA!!!..... MORREU DE PARTO!!!

    A caseirar ficou aterrada de pavôr, um choque glacial percorreu o seu corpo deixando-a paralisada, AFINAL QUEM SÃO ESTES SERES ? QUE HORAS SERÃO ? PENSA ELA !!! segundos depois o relógio da torre sineira da nossa matriz dá 4 badaladas....eram 4h da manhã!!! a caseira soltando um enorme gritoooo de desespero, galgou as várias leiras quase sem sentir os pés no chão até á Casagrande, acordando todos, ainda teve tempo de contar o que lhe tinha acontecido. Caíu á cama vindo a falecer dias depois, sem pronunciar nem mais uma palavra.

    A história desta tragédia correu montes e vales até aos nosso dias. Os anciões da aldeia afiançavam que eram almas a penar, por causa dos seus restos mortais terem sido transladados do interior da igreja para o novo cemitério, e que durante anos a certas horas, e dias, faziam esse trajecto, como a quererem visitar o local onde repousavam antes.

    domingo, abril 10, 2005

    S.C. Alba 2 - 1 Fajões



    Numa tarde de domingo cheia de sol, o Grupo desportivo de Fajões deslocou-se ao estádio Municipal António Augusto Martins Pereira, para defrontar a equipa da casa, o Alba.

    Esperava-se um jogo difícil para a equipa do Fajões, não só pela qualidade superior do Alba, que actualmente se encontra nos seis primeiros classificados da tabela, e também por se tratar de um jogo em que muita coisa pode ficar decidida.

    Assim sendo, o G.D.F. não consegui melhor que uma derrota por 2-1, não conseguindo assim uma tranquilidade que é por todos desejada.

    É de extrema importância que a equipa vença o próximo jogo em casa, disse o treinador do Fajões.

    sábado, abril 09, 2005

    S.C. Alba vs G.D. Fajões


    O G.D.F. desloca-se ao terreno do alba para mais um encontro a contar para a 1ª divisão do distrital de aveiro.

    Caso o G.D. Fajões alcance a vitória, praticamente garante a permanência na 1ª divisão da A. F. de Aveiro.

    O jogo é próximo domingo (amanhã) pelas 16.00H, no estádio Municipal António Augusto Martins Pereira.

    sexta-feira, abril 08, 2005

    Novos seres nas águas do Rio Antuã


    O Rio que passa por Fajões (Rio Antuã) conta agora com mais uma espécie de seres vivos nas suas águas.

    Trata-se de alguns patos que estão livremente nas águas do rio, como se pode ver na figura, junto à sede da Junta de Freguesia.

    Penso que iniciativas como esta, são sempre de louvar, mas continuo a achar que a junta de freguesia deveria investir mais nesse espaço, tornando assim as imediações à junta de Freguesia, Espaço Internet, Correio e Polidesportivo, um lugar agradável, em que os habitantes da freguesia possam passar os dias de sol que se adivinham.

    Saudações...

    quinta-feira, abril 07, 2005

    Núcleo Sportinguista de Fajões e ACREF mudam de sede


    O Núcleo Sportinguista de Fajões e a ACREF mudaram de instalações. O núcleo Sportinguista foi ocupar, na Rua da Banda Musical, as antigas instalações da ACREF. O anúncio foi feito durante a assembleia geral da colectividade, pelo que os dirigentes pretendem que aquele seja um ponto de encontro dos sportinguistas, enquanto que a sede da ACREF passou a ser onde era o antigo "café do Amadeu", também na rua da Banda Musical.

    Ainda no que diz respeito ao núcleo, os órgãos sociais estão conscientes de que no novo espaço, além de economicamente mais vantajoso, poderão realizar outros eventos capazes de dinamizar a colectividade, atrair os associados e, consequentemente, angariar fundos.Foi isso mesmo que os associados presentes discutiram durante os trabalhos. Foram postas em cima da mesa algumas ideias que cativam os associados, pois, caso contrário, se estes continuarem alheios à vida associativa, poderá estar em causa a sobrevivência do Núcleo.Os associados presentes aprovaram o relatório e contas.Para Junho próximo, a exemplo do ano passado, o Núcleo Sportinguista de Fajões vai comemorar, com um jantar, o 6.º aniversário da colectividade. Os dirigentes esperam a adesão dos associados e dos sportinguistas.

    Saudações...

    quarta-feira, abril 06, 2005

    Inquérito 9


    Teve hoje o seu termo a votação que decorreu durante estas duas semanas. A pergunta era: "Pensa que o G.D.F. irá conseguir a manutenção na escalão principal da associação de futebol de Aveiro?"
    Num total de 11 participantes, 9 (82%) responderam que sim, enquanto que apenas 2 (18%) pensam que o G.D.F. não se irá manter na divissão principal da distrital de Aveiro.
    Com este resultado pode-se retirar uma conclusão que é mais que obvia: Os habitantes de Fajões (pelo menos aqueles que frequentam o site) estão com a equipa da sua terra!

    A próxima pergunta está relacionada com a festa do S. Marcos, que se avizinha e que o blog irá fazer referencia daqui a uns dias. Mas como devem ter já conhecimento, As ceifeiras São Martinho de Fajões, não irão actuar nesta festa, por decisão da comissão de festas. As razões para tal, ainda estão um pouco confusas, mas depois de ouvir alguns testemunhos, supõe-se que seja por razões de orçamento.

    Então a pergunta é a seguinte: "Pensa que a comissão de festas do S. Marcos devia dar mais importância ás colectividades da freguesia, neste caso As Ceifeiras São Martinho de Fajões?".

    As votações estão abertas até à próxima quarta-feira. Para todos aqueles que queiram ter uma discussão mais aberta do assunto, têm os "comentários" para o fazer.

  • Votação/Resultados
  • Saudações...

    Mais um excelente artigo de opinião!

    Na edição do jornal "Correio de Azeméis" desta semana, saiu mais um artigo de excelente qualidade com autoria do nossa já conhecido emigrante fajoense Albino Pinho. Vou deixar-me de palavras e passar ao que interessa, que é o artigo.
    Aqui fica o artigo na sua totalidade.

    Regozijei-me ao ler a edição de 01 de Março último do Correio de Azeméis e ver que, finalmente, a quarta fase da via do nordeste já tem projecto aprovado. Obra da maior importância para Cesar e Fajões, que eram ligadas à sede do concelho por uma precária, sinuosa, longa e cansativa estrada, tantas vezes "recauchutada" ao longo dos anos. Para a futura zona industrial de Fajões, Cesar e Carregosa, esta via vai ser de capital importância, assim como para todo o desenvolvimento do nordeste do concelho, pois, por muito boas vontades, sem boas vias para escoamento do produto final, todo o investimento, cedo ou tarde, acaba por estagnar, num mundo globalizado e competitivo como o nosso.
    O meu contentamento é maior, ainda, quando penso que foi com o meu artigo publicado neste semanário, em 22.03.2001, com o título "Porquê" que a Câmara Municipal reparou o erro que estava a cometer e, em Junho 2001, decide que o terminus da via do nordeste seria efectivamenteem em Fajões e não em Cesar. No dito artigo argumentei a importância da via chegar a Fajões e, ainda, com a hipotese futura de a ligar à via estruturante Arouca - Feira. Como já o referi num artigo não pretendo nenhuma estátua, nome de rua ou medalha, basta-me a satisfação pessoal de ter contribuido modestamente para algo de muito importante para a minha terra, de ter exercido o meu direito de cidadania, que infelizmente poucos utilizam e muito menos respeitam.
    Vou estar atento àqueles que, estando no poder na altura, deixaram as coisas passar à frente do nariz, não tendo nem argumentos, nem ideias para a fazer chegar a Fajões, e agora já se começam a manifestar com ideias e projectos, já com fins puramente eleitoralistas. Os mesmos que, em Agosto de 2001, me diziam que a via estruturante Arouca - Feira era uma utopia, que não passaria do papel, chamando-me inclusivé sonhador.
    Também para aqueles que, estando na autarquia de Fajões, em Agosto 2004, me diziam desconher que se estava já a discutir o traçado da segunda fase da via estruturante Arouca-Feira, de capital importância para a nossa terra, pois nesta segunda fase vai haver seis nós de ligação e há que estar atento e informado, e participar nas decisões, fazendo valer os nossos argumentos, que serão sempre a ligação da via do nordeste a esta importante via, seja a Norte ou a Sul, pois, sem uma saída para Fajões, a via do nordeste perderia muito do seu interesse para nós, como eu a concebo, principalmente a Norte.
    Sendo certo que a Norte ou a Sul, a via estruturante Arouca - Feira vai passar a Fajões, dando a esta vila uma posição de charneira na região, com ligação à A1 em (Santa Maria da Feira), através da via estruturante para o Norte ( perto do S- Marcos). E à mesma A1 (Estarreja) através da via nordeste para Sul. A ser concretizada esta hipoótese, a maior parte do tráfico da vasta região dos concelhos de Arouca e Castelo de Paiva, que vem para Sul, terá "obrigatoriamente" de passar por Fajões.
    Actualmente, discute-se a segunda fase do traçado da via estruturante Mansores - Feira. Penso que o que irá prevalecer será o do Norte, embora o que passa ao Mergulhão fosse também importante para a zona industrial, mas isso será um problema político e técnico.
    Segundo palavras do presidente em exercício, esta é a maior obra realizada no concelho, só possível graças aos Fundos Comunitários do Quadro de Apoio e, digo eu, também à visão do ex-presidente Ângelo Azevedo, embora a ideia primeira fosse a de a levar só à sua terra-natal. Um bom politíco não é aquele que só gere o presente, é aquele que imagina e visiona já o futuro. Nas três fases já quase concluídas da via do nordeste, o meu único reparo é para que nalguns locais do seu trajecto não se ter alargado mais a via, já que se estava com a "mão na massa" e haviapano para manga, como se diz. Espero que nos próximos tempos não comecem os "remendos". Fiquei contente em saber que o presidente da Câmara prevê começar a quarta fase Cesar-Fajões entre Junho/Julho e concluir em fins de Dezembro 2005. Francamente acho muito rápido para aquilo que nos habituaram. Vou esperar para ver... era bom que assim fosse e que não se trate das já habituais jogadas pré-eleitorais... vou fazer como S. Tomé!!! Como de Lações até Bustelo, como do alto do Mergulhão até ao Restaurante do Lindolfo, também espero que do lugar da Ameixieira até aos Bombeiros de Fajões a via do nordeste tenha 2 x 2 vias com separador, dando-lhe a mesma dignidade que nos locais acima referidos, pois não há impedimentos urbanísticos que impeçam a sua execução, e Fajões merece.
    Para terminar e não querendo meter "a foice em seara alheia", acho que é de toda a justiça a reivindicação da população de Macieira de Sarnes, em querer também que a via do nordeste a ligue à sede do concelho. Além de ser muito útil para todos os macieirenses que precisem de se deslocar à sede do concelho, era também bom para a unidade do mesmo. Eles que, como nós, foram e continuam a ser mais esquecidos, devido sobretudo ao seu posicionamento geográfico, o que leva forçosamente por vezes sentirem-se mais sanjoanenses do que oliveirenses. Portanto, acho que entre Nogueira do Cravo e o Mergulhão se deveria começar a estudar o melhor local para a via do nordeste, numa quinta fase, a realizar o mais breve possível, estendendo um braço até Macieira de Sarnes.

    Saudações...

    terça-feira, abril 05, 2005

    Bombeiros de Fajões querem continuar a salvar quem precisa


    O corpo dos Bombeiros Voluntários de Fajões tem procurado, dentro das possibilidades da Escola Nacional de Bombeiros e através do comando, fazer formação para resolver todos os obstáculos que se deparam no seu dia-a-dia, ciente de que quem não sabe, não salva.

    Assim, no ano de 2004, contou com dois cursos de salvamento e desencarceramento, um curso de tripulante de ambulâncias de transporte (TAT) ministrados por formadores de Escola Nacional e a nível interno, foi dada formação, em período pós-laboral, de condução todo-o-terreno com aulas nocturnas, reciclagens de Cursos de socorrismo básico (com treinos em manequim) e formação em incêndios urbanos, industriais e florestais, fundamentais para o bom desempenho da função dos bombeiros.

    O comandante reconheceu que "apesar de procurarmos sempre o nosso aperfeiçoamento, nem sempre é possível ter acesso a esses conhecimentos e técnicas, quer por indisponibilidade da Escola Nacional e porque não é fácil ir receber formação e abandonar o nosso posto de trabalho. É compreensível que as entidades patronais não estejam receptivas a disponibilizar um empregado por três ou quatro semanas. Para estes, que já fazem o sacrifício de deixar sair o pessoal para acudir às emergências, fica aqui o nosso público agradecimento", acrescentou Manuel Abreu. Neste aspecto, o ex-presidente da direcção, Manuel Machado, apontou como exemplo a empresa Silampos, pela disponibilidade que tem manifestado, não colocando entraves aos seus funcionários, sempre que vão para formação.

    Para o ano em curso, o comandante afirma querer manter e, se possível, melhorar o mesmo nível de formação. Para tanto, o comando já pediu três cursos de T.A.T e dois de salvamento e desencarceramento. "Vamos continuar com a formação interna em comunicações, incêndios, condução todo-o-terreno, aparelhos respiratórios e continuar com treinos de reanimação cardiovascular. Continuamos a considerar como fundamental, a formação de um Corpo de Bombeiros, porque quem não sabe, não salva", salientou Manuel Abreu. O comandante destacou ainda, na apresentação do relatório, a promoção a bombeiros de 2ª e 1ª classe, depois de completaram uma instrução de seis meses, com uma carga horária de 70 horas e de se terem submetido ás respectivas provas e a promoção à categoria de chefe e de subchefes de alguns elementos do corpo que completaram com êxito a formação que foi ministrada a nível distrital. "Foi a primeira vez na história desta Associação que se formaram os primeiros chefes", acrescentou satisfeito o comandante.

    Saudações...

    domingo, abril 03, 2005

    G.D.F. 1 - 0 Cucujães

    O Grupo Desportivo de Fajões alcançou hoje um excelente resultado frente ao Cucujães.

    Um jogo que se antevia complicado, devido à necessidade do Cucujães ter de pontuar para se manter na luta pela manutenção, o Fajões consegui dar a volta por cima e dominar o jogo por completo, apesar de apenas ter conseguido o resultado de uma bola a zero.

    O G.D.F. mantém a 11ª posição na tabela classificativa com 39 pontos.

    Saudações...

    sábado, abril 02, 2005

    Apenas a vitória interessa!

    O Grupo Desportivo de Fajões tem amanhã um importantíssimo encontra, para as suas aspirações na manutenção na primeira divisão da associação de futebol de Aveiro.

    O jogo está marcado para as 16 horas e coloca frente a frente o Fajões, 11º classificado, frente ao Cucujães, 20º e ultimo classificado.

    A direcção do clube pede a todos os fajoenses a deslocarem-se ao campo das cruzes, para apoiarem a nossa equipa em mais um importante encontro.


    Saudações...

    sexta-feira, abril 01, 2005

    Secção Inquérito por mais alguns dias...

    Como devem ter reparado, a "secção Inquérito" não foi actualizada na passada quarta-feira, como é sempre habitual. A razão para esta não actualização deve-se ao facto do Grupo desportivo de Fajões jogar uma jornada importante para os seus intentos, pois seria curioso verificar se a opinião dos usuários da secção muda.

    Assim, na próxima quarta-feira, serão divulgados os resultados bem como será proposta uma nova pergunta para votação.


  • Votação/Resultados


  • Saudações...