Toda a informação relacionada com a freguesia de Fajões; AGENDA: 29/01 - S. Roque - Fajões (15.00 horas)// TODOS OS COMENTÁRIOS SÃO DE TOTAL RESPONSABILIDADE DOS SEUS AUTORES

domingo, fevereiro 12, 2006

23ª jornada - Pessegueirense 2 - 1 G.D.Fajões

Duas bolas a uma, foi o resultado do jogo que se disputou esta tarde, entre o Pessegueirense e o Grupo Desportivo de Fajões. A defrontar a equipa que ocupava o terceiro lugar da tabela, o Fajões não mostrou argumentos para sair de Pessegueiro do Vouga com os três pontos, considerando-se uma vitória inteiramente justa.
O que se está a tornar frustrante são as sucessivas derrotas por um golo de diferença. Recorde-se que já na primeira volta, o Pessegueirense também derrotou o Fajões, mas neste caso por uma bola a zero.

4 Comentários:

At 14/2/06 12:19 da manhã, Blogger Manuel Alcides said...

Não é para desanimar! O G.D.Fajões bateu-se bem e o Pessegueirense marcou o golo da vitória já no final do jogo. Em minha opinião o Pessegeirense tem melhor equipa que o Fajões e por isso não é equipa para o campeonato do Fajões. O objectivo deve ser procurar um lugar confortável no meio da tabela para evitar a descida.

 
At 14/2/06 6:30 da tarde, Anonymous Albino Pinho - Suiça said...

Pois é amigo manuel, mas os meios escasseiam, e o tempo urge.
Nunca deixar para amanha, o que se pode fazer hoje.
Á uns anos escrevi um artigo de opinião no CA com o título Em LENTA AGONIA, debruçava-me sobre a situação "dramatica" que o G. D. de Fajões se encontrava na altura, pois estava em vias de descer á 3° divisão distrital. Esse artigo parece que foi o clic, a pedrada no charco, e nos jogos que faltavam o Fajões fez uma recuperação quase milagrosa, vindo a ficar ao meio da tabela e asim evitar a descida que estava quase iminente.
Nesse artigo, deixei o meu ponto de vista muito pessoal, baseado já em muita experiencia, pois eu proprio já fui atleta e desde criança sempre acompanhei a problematica dos ditos clubes amadores. A juntar a tudo isso inteirei-me ao pormenor como o mesmo futebol amador é gerido aqui na Suiça. O que disse nesse artigo para mim mantem-se actual, e pode ser uma das portas de saída para salvar equipas como o Fajões. Mas como digo é uma opinião muito pessoal, nunca invalida outras, mas alguma coisa deve ser feito imeditamente, com o risco de na próxima época haver mais uma série de equipas que encostam ás boxes.

 
At 14/2/06 8:01 da tarde, Blogger Leiteiro said...

O artigo pode ser recordado aqui!

 
At 15/2/06 7:40 da tarde, Blogger Manuel Alcides said...

Acabei de ler o seu artigo e globalmente concordo com o que escreveu.
Mas existem outras razões para os fajoenses estarem de "costas voltadas" para o G.D.F. e passo a dar a minha opinião:
- Eu próprio quando era pequeno ia com os meus amigos assistir aos jogos do Fajões e vibrava com aquilo. Só que a nova geração têm hoje outras formas de diversão que não existiam naquele tempo e ir ao campo das Cruzes é "fatela". Este é um factor sociológico.
- Como escreveu no seu artigo, Fajões não é terra de gente rica e quem tem algum dinheiro não ve grandes vantagens em investir num clube como o G.D.Fajões.
- A crise é geral! Se os ditos grandes clubes atravessam um momento difícil (excepto o meu Benfica, porque esse tem sempre dinheiro ;-) o que será das equipas amadoras?
- Apesar do Euro 2004 ter sido um sucesso, não eram necessários tantos estádios. Se tivessem construído apenas os necessários e tivessem atribuido verbas aos clubes amadores teria sido mais justo. Sim eu sei, é um utupia! Estes são factores financeiros.

Resumindo, apontar razões para o estado actual do G.D.Fajões é fácil, mas o difícil é encontrar soluções para sair da crise. As pessoas que gerem o clube fazem-no por carolice e deviam ser apoiadas para elas próprias se sentirem motivadas no trabalho que estão a fazer.
Sinceramente, não estou a ver os fajoenses no futuro a apoiar esta direcção ou a querer assumir os destinos do clube (contra mim falo!). A minha lógica é que a vida é feita de ciclos e se calhar o ciclo do G.D. Fajões estará a chegar ao término mas até lá há que ter esperança

E se descer de divisão também não deve ser encarado com tanto dramatismo! A Cruz Maltina Lobanense(clube da terra onde estou a morar) milita na 3ª divisão distrital de Viseu e os jogos deles são tudo menos stressantes. A única fonte de receita que possuem é o café do clube. O ano passado acabaram em último lugar com 11 pontos e no final ainda fizeram uma festa e homenagearam os jogadores! Alguém da terra achou que era altura de terem uma sede e deu-lhes uma casa velha que foi reconstruída inteiramente com mão-de-obra da terra. Isto é uma forma diferente de viver o futebol, mas é engraçado como a comunidade trabalha em equipa em prol da equipa da terra.

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home