Toda a informação relacionada com a freguesia de Fajões; AGENDA: 29/01 - S. Roque - Fajões (15.00 horas)// TODOS OS COMENTÁRIOS SÃO DE TOTAL RESPONSABILIDADE DOS SEUS AUTORES

sábado, março 04, 2006

A minha primeira aventura por terras helvéticas - Capitulo XIII - Autor: Albino Pinho

Capitulo XIII

Entretanto chega a hora de ir para o comboio que me irá levar a Neuchatêl, uns 120km mais ao interior. Despedi-me dos camaradas de viagem, do meu irmão João, a quem dei a direcção desse meu meu amigo, em caso de haver algum problema de maior. O comboio lá partiu, agora estava entregue a mim próprio, sem saber dizer quase uma única palavra em Francês.
O comboio, em relação ao Vouguinha a carvão, único que utilizei várias vezes no meu Portugal, nas várias viagens que fiz S.João da Madeira Espinho e vice versa. Este é movido a força motriz, atinge uma velocidade média de 120km h, e nem se sente as emendas da linha como o Vouguinha, incomparável muito melhor, os interiores são luxuosos, o nosso era bancos de madeira ainda.
Fixo o meu olhar na paisagem que passa em alta velocidade, como tudo é belo, o lago Leman, as montanhas dos Alpes do lado Francês de Evian. O comboio para em Nyon, depois em Morges, antes de cada paragem, uma voz feminina anuncia a próxima paragem...a próxima será Lausanne, vou ter de sair preparo a minha mala branca que está no local adequado por cima da minha cabeça. Tenho de me despachar na Gare em Lausanne, e como me disse o amigo que me comprou o bilhete, tenho de me informar e mostrar o meu bilhete para alguém me indicar o comboio que devo entrar até Neuchatêl, se falho estou perdido!
Tudo correu bem, como o previsto, entro no comboio que vai para Neuchatel, já estou mais descançado, mais uma batalha ganha. A próxima paragem é Yverdon-les-Bains, a seguir Neuchatel, a adrelalina aumenta, tenho de sair, o meu amigo mora perto, já anotei no mapa que trouxe de Portugal. Em Neuchatel terei de sair e comprar um bilhete para um comboio regional, aqueles que param em todos os apeadeiros.
A linha de Yverdon até Neuchatel, é quase toda á margem do lago de Neuchatel, o maior lago inteiramente Suiço, as paisagens continuam lindas, entretanto a voz feminina anúncia a próxima paragem em Neuchatel.
O comboio pára em frente á estação, que é bastante larga, deve ter umas 10 linhas, o meu comboio chega mais ou menos ao meio. Desço, pouso a mala branca no chão, para fazer o ponto da situação, olho para todos os lados, sempre preocupado de um controle policial, que não vinha nada a calhar, pois ficaria sobre control de residencia, e ao fim de algum tempo eles viriam me controlar.
Tenho a sensação de já ter feito mais uma etapa importante, faz frio mas não tanto como em Genebra, o cansaço é substituído pela angústia.
Bom tenho de ir ver esse regional, para La Landeron, e o seu Hotel Suisse, direcção que me tinha sido dado á uns tempos pelo meu amigo Aníbal, bom camarada de trabalho, com uma pequena dificiência numa perna, mais curta.


(Continua...)

Ligações e créditos:

  • Capitulo XII

  • 0 Comentários:

    Enviar um comentário

    Links to this post:

    Criar uma hiperligação

    << Home