Toda a informação relacionada com a freguesia de Fajões; AGENDA: 29/01 - S. Roque - Fajões (15.00 horas)// TODOS OS COMENTÁRIOS SÃO DE TOTAL RESPONSABILIDADE DOS SEUS AUTORES

quinta-feira, março 16, 2006

Videolog - 5 - Talvez o momento mais arrepiante do futebol mundial: You`ll never walk alone


Video Sharing at DropShots.com

6 Comentários:

At 16/3/06 5:30 da tarde, Blogger Leiteiro said...

Acreditem que é mesmo arrepiante!

 
At 17/3/06 12:15 da manhã, Blogger Manuel Alcides said...

Que jogo foi este? O que consideras arrepiante? O som!

 
At 17/3/06 2:00 da tarde, Anonymous Vitor Conceicao said...

Tambem não percebi, o porque de ser arrepiante este video!!! Só se for o som, mas quem for ao estadio do DRAGÃO é ainda é pior " eheh " :)

 
At 17/3/06 2:39 da tarde, Blogger Leiteiro said...

O estádio em si, é um daqueles tipicamente britânicos, com as bancadas em cima do relvado e não muito altas. Não é grande, leva apenas 45 mil supporters. Mas acreditem que é o suficiente para tornar Anfield num autêntico paraíso de apoio. Podia dizer inferno, mas um inferno pressupõe algum caos e descoordenação nos cânticos e onde tudo vale para destabilizar o adversário com assobios violentíssimos e palavras de ordem da praxe. Ali não há nada disso. Há apenas um sentido. O de apoiar o Liverpool, seja qual for o resultado e o futebol da equipa. Ali só há gargantas para cantar, em unísono, os cânticos da casa. Conseguem uma sincronização de tal ordem que se torna perfeitamente perceptível a letra do cântico. Uma serenata ao vivo, é o que os liverdpulians.
O Kop tem tudo o que esperávamos e muito mais.
Este muito mais é impossível de se aperceber e sentir numa transmissão televisiva e dificilmente hei-de ver em mais alguma parte do mundo.
Este muito mais começa na imponência daquela bancada cheia de bandeiras e cachecóis vermelhos e brancos que se vai compondo à medida que se aproxima o início do jogo.
Este muito mais continua quando começam a cantar o You'll Never Walk Alone quando o Liverpool entra em campo. E aqui, não há nenhum adepto do Benfica que não tenha ficado arrepiado com esse momento. Alguns ainda tentaram entoar um Benfica, Benfica! mas, cá para mim e com todo o desplante que me é permitido, só revela falta de respeito por um momento épico como aquele em pleno Anfield Road. Ali, naquele preciso momento, só dava YNWA e o resto não interessava mesmo, era para esquecer. Acho que foram os primeiros segundos da minha vida em que não quis saber do Benfica para nada... Naquele momento, senti-me pequeno, verdadeiramente pequeno, mas ao mesmo tempo um privilegiado por presenciar ao vivo o que sempre quis experimentar desde que comecei a entender a importância do Kop.
Este muito mais passa, obrigatoriamente, pelo golo do Simão na baliza do Kop. E nós que estavamos atrás da outra baliza, tivemos uma visão mágica da jogada e do arco que a bola desenhou antes de se fazer ao golo. Depois, bem... depois foi a explosão em Anfield. Foi parar no tempo e não acreditar no que estava a acontecer. Foi o caos total no nosso sector. Foi gritar mais alto que os ingleses como que a dizer-lhes que eles têm o paraíso mas nós tinhamos ali o inferno connosco. Foi ignorar o steward que tantas vezes me chateou para não estar em cima da cadeira e saltar para cima dos meus. Mas depois foi também uma sensação de dejá-vu. Lembrei-me de San Siro, contra o Inter. Não é que seja um estádio comparável a Anfield Road pela sua atmosfera, nada disso. Mas também foi assim que começamos, a ganhar e depois foi o que foi. Acalmei-me. Não queria fazer a festa tão cedo, muito menos com uns ingleses completamente fanáticos no apoio à sua equipa, de tal modo que me faziam sentir que se marcassem um golo, era uma questão de tempo até resolverem o jogo a seu favor. E lá começaram eles outra serenata. Nunca vi nada igual, mas o mais espantoso ainda estava para vir.
Este muito mais também inclui o golo do Miccoli, desta vez na baliza onde nós estavamos. Como se não bastasse um golo, os nossos jogadores lembraram-se de nos presentear com outro, mas agora junto de nós, mesmo junto de nós. Dois golos em Anfield contra o campeão europeu altamente apoiado como nunca tinha visto na vida por um Kop verdadeiramente mítico. No mínimo, é de chorar por mais. E então, o impensável acontece. A perder por dois golos, a bola vai ao centro do relvado e começa o maior festival que já vi em toda a minha vida. Não havia um único inglês calado. Todos cantavam o hino, aquele hino que não me sai da cabeça. E chega a parte em que cantam Walk on walk on, with hope in your heart and you'll never walk alone... you'll never walk alone! como se estivessem a ganhar... Fala-se tanto em mentalidade e tivemos ali mesmo ao vivo uma lição impossível de esquecer. Onde mais isto podia acontecer senão em Anfield?
E este muito mais acaba na classe e desportivismo que os liverdpulians demonstraram no final do jogo, quando aplaudiram não só os jogadores do Benfica que desacelararam o passo quando iam para os balneários, como também os próprios adeptos benfiquistas à medida que os supporters ingleses iam abandonando a bancada. Alguns chegaram a mandar bandeiras e cachecóis para o nosso sector sem nada em troca, como prova de consideração pelo apoio que demos ao Benfica. Alguns de nós começaram a cantar a versão Liverpool que eles puxam em Anfield e vejo uma rapariga inglesa a chorar. Todos os outros batem-nos palmas. Amava que fosse sempre assim. Mas ao mesmo tempo também gosto que seja apenas uma vez na vida que isto acontece. Porque se há imagens que ficam gravadas para sempre, esta é mesmo uma delas.

 
At 17/3/06 6:29 da tarde, Anonymous fcp said...

realmente os ingueses fazem muito barulho mas o naval tambem

 
At 17/3/06 10:54 da tarde, Anonymous albino pinho said...

Estou emocionado com as palavras, e os pormenores do amigo Leiteiro, só mesmo o futebol é capaz destes exageros, os mesmo exageros que os adeptos "holigans" do mesmo Liverpool fizeram do estádio do Heysel de Bruxelas na final da Taça dos Campeões Europeus "nome na altura" em maio de 1985 contra a Juventus que se saldou por algumas dezenas de mortos de apoiantes transalpinos, um dia negro da história do futebol, e que privou as equipas inglesas de participarem durante alguns anos nas competições europeias. Cá por mim gosto mais das coisas terra a terra, tudo que é emocionalmente exagerado de repente pode rebentar.

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home