Toda a informação relacionada com a freguesia de Fajões; AGENDA: 29/01 - S. Roque - Fajões (15.00 horas)// TODOS OS COMENTÁRIOS SÃO DE TOTAL RESPONSABILIDADE DOS SEUS AUTORES

sábado, abril 08, 2006

A minha primeira aventura por terras helvéticas - Capitulo XXIV - Autor: Albino Pinho

Capitulo XXIV

Disse ao padre que sairia de manhã cedo no comboio para Neuchatel, andei por lá todo o dia, falei com o meu amigo Manuel, de tarde fomos dar uma volta juntos pela cidade pedindo em tudo que era restaurante, vimos os anúncios do Express da cidade na Brasserie du Theatre, telefonamos para tudo que era anúncio, infelizmente as respostas eram muito parecidas, estamos completos, ou se não tem papéis, não é possível, ou pior ainda que passe por cá daqui por um mês, depois se verá. Aproveito e dos correios telefono á minha mulher para me enviar o endereço o mais rápido possível do meu segundo primo que trabalha em Genebra já á uns anos, embora seja um tipo com um caracter especial podia ser que me arranjasse alguma coisa nas obras por lá, pois também devia alguns favores á familia, foi a minha irmã e o seu marido que o trouxeram para França á uns anos, pois vivia bastante mal com o seu rancho de filhos, o que lhe permitiu mais tarde dar o salto para a Suiça.
Havia pequenos grupos de Portugueses recém chegados que também pediam trabalho nos mesmos locais, por vezes eles vinham a saír e nós a entrar para fazer o mesmo pedido, o que enervava os patrões, muitas das vezes ainda não tinhamos frase dita e já estavamos com a resposta. Era o tempo que se viam os Portugueses em grupos a pedir trabalho de porta a porta, o que não era a forma mais aconselhável para obter um posto de trabalho. Era de fevereiro aos fins de março que te repetia este cenário, no sentido de obter os papéis sazonais, passado este periodo dificilmente alguém conseguia papéis, daqueles patrões que tinham direito a eles, bem entendido.
Entretanto continuava a fazer alguns trabalhos para os paroquianos, assim como algumas pequenas pinturas interiores na casa da paróquia.
Vou sempre ver se chega correio de Portugal. Chega a tão ansiada carta da minha mulher com o endereço do meu segundo primo de Genebra. Não há tempo a perder, escrevo-lhe e conto-lhe a minha situação, e peço-lhe se me pode arranjar alguma coisa em Genebra, senão terei de regressar á minha terra, peço-lhe que seja rápido na resposta.


(continua...)


Ligações e créditos:

  • Capitulo anterior
  • 0 Comentários:

    Enviar um comentário

    Links to this post:

    Criar uma hiperligação

    << Home